Share This Article:

Sex Education in the Eyes of Brazilian Public School Teachers

Full-Text HTML Download Download as PDF (Size:2552KB) PP. 1418-1427
DOI: 10.4236/ce.2014.515160    4,353 Downloads   4,862 Views   Citations

ABSTRACT

This article presents the results of a research about the implementation of sex education in the public schools of Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, Brazil. Quantitative and qualitative methods were used and semi-structured interviews were conducted with 124 teachers from 56 public schools. The Discourse of the Collective Subject method was applied to analyse the interviews. The results show that sex education is not a crosscutting theme in schools, and that it is mostly dominated by the biomedical discourse. This means that non-heterosexual practices and identities are neglected and that representations of gender and sexuality that reproduce and legitimate gender disparity are accentuated.

Conflicts of Interest

The authors declare no conflicts of interest.

Cite this paper

Quaresma da Silva, D. (2014) Sex Education in the Eyes of Brazilian Public School Teachers. Creative Education, 5, 1418-1427. doi: 10.4236/ce.2014.515160.

References

[1] Altmann, H. (2009). Educação sexual em uma escola: da reprodução à prevenção. Cadernos de Pesquisa, 39, 175-200.
http://www.scielo.br/pdf/cp/v39n136/a0939136.pdf
[2] Brasil (1997). Ministério de Educação e Cultura. Parametros Curriculares Nacionais. Brasília: Ministério de Educação e Cultura.
[3] Borrillo, D. (2010). Homofobia. História e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica.
[4] Foucault, M. (2003). História da Sexualidade II: O uso dos prazeres (10th ed.). Rio de Janeiro: Graal.
[5] García, M., Abramovay, M., & Silva, L. B. (2004). Juventudes e sexualidade. Brasília: UNESCO.
[6] The Brazilian Institute of Geography and Statistics (2009). Pesquisa Nacional de saúde do escolar. Rio de Janeiro.
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica /populacao/pense/pense.pdf
[7] Jardim, D. P., & Bretas, J. R. S. (2006). Orientação sexual na escola: a concepção dos professores de Jandira-SP. Revista Brasileira de Enfermagem, 59, 157-162.
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672006000200007&script=sci_arttext.
[8] Lefêvre, F., & Lefêvre, A. M. C. (2003). O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul: Educs.
[9] Minayo, M. C. (1994). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.
[10] Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2009). Informe de Acompanhamento Municipal dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.
[11] Quaresma da Silva, D. R. (2007). Mães-menininhas: A gravidez na adolescência. Ph.D. Thesis, Porto Alegre: Federal University of Rio Grande do Sul.
[12] Quaresma da Silva, D. R., Sarmento, D. F., & Fossatti, P. (2012). Género y sexualidad: ?Qué dicen las profesoras de Educación Infantil de Canoas, Brasil? Education Policy Analysis Archives, 20.
http://epaa.asu.edu/ojs/article/view/995
[13] Ribeiro, P. R. M. (2004). Sexualidade e educação: Aproximações necessárias. São Paulo: Arte & Ciência.
[14] Roudinesco, E. (2003). A família em desordem. Jorge Zahar: Rio de Janeiro.
[15] Sayão, Y. (1997). Orientação sexual na escola: Os territórios possíveis e necessários. In: A. J. Groppa (Ed.), Sexualidade na escola: Alternativas teóricas e práticas (pp. 107-118). São Paulo: Summus.
[16] Tamanini, M., Santos, S. F. D., & Sartor, G. E. B. (2009). Gênero, sexualidade e relações étnico-raciais: limites e desafios de um curso a distancia. In: M. P. Grossi, & M. C. D. S. Lago (Eds.), Práticas pedagógicas e emancipação: Gênero e diversidade na escola (pp. 67-92). Santa Catarina: Mulheres.
[17] Unicef: Fundo das Nações Unidas para Infancia (2011). O direito de ser adolescente: Oportunidade para reduzir vulnerabilidades e superar desigualdades. Brasília: UNICEF.
http://www.unicef.org/brazil/pt/br_sabrep11.pdf
[18] Unbehaum, S., Cavasin, S., & Gava, T. (2010). Gênero e sexualidade nos curriculos de pedagogia. In: Anais: Seminário Internacional Fazendo Gênero 9 (pp. 1-10). Florianópolis: Federal University of Santa Catarina.
[19] Zero, H. (2011). Após pressão de religiosos, Dilma suspende produção de kit anti-homofobia.
http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2011/05/apos-pressao-de-religiosos-dilma-suspende-
producao-de-kit-anti-homofobia-3323528.html
[20] Zurutuza, A. (2011). A cada mês, 4 crianças filhas de mães adolescentes morrem antes do 1 ano. Correio do Estado.

  
comments powered by Disqus

Copyright © 2018 by authors and Scientific Research Publishing Inc.

Creative Commons License

This work and the related PDF file are licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.